Mais notícias

Lançado Feirão da Casa Própria da Segurança no RS

12/07/2011

Desde a manhã de segunda-feira (11), até o próximo domingo (17), a oportunidade para aquisição de uma moradia com condições diferenciadas.

Um ato solene marcou a abertura do Feirão da Casa Própria, instituído a partir da parceria entre o Governo do Estado e a Caixa Econômica Federal para proporcionar a quem atua na Polícia Civil, Brigada Militar, Superintendência dos Serviços Penitenciários e Instituto-Geral de Perícias a compra da casa própria. 

O ato foi realizado no Armazém A do Cais do Porto, onde estiveram presentes o governador Tarso Genro, e o presidente da Caixa, Jorge Fontes Hereda, além dos secretários estaduais da Segurança Pública, Airton Michels, e da Habitação e Saneamento, Marcelo Frison, além de inúmeras autoridades e do ex-jogador da Seleção Brasileira Raí, que atua na divulgação dos feirões da Caixa pelo país. 

Durante a solenidade, o governador e o presidente da Caixa fizeram a entrega das cartas de crédito para os policiais militares Jorge Alexandre Lopes dos Anjos e Fernando Soares, simbolizando a abertura do Feirão. Em discurso, Tarso Genro fez uma referência à iniciativa, quando foi ministro da Justiça, de instituir um plano especial de moradia. Segundo ele, a medida tinha a intenção de proporcionar a recuperação da renda dos policiais, devido aos baixos salários, ao mesmo tempo em que dava melhores condições de moradia, sobretudo em locais de necessitavam de policiamento comunitário. "Temos muitos problemas que precisamos resolver com as corporações policiais, mas a relação fica melhor chancelada a partir deste programa que ora se institui", disse o governador. 

O presidente da Caixa, Jorge Hereda, enfatizou a política da caixa leva em conta o perfil do cidadão e o déficit habitacional no país. Segundo Hereda, nos seis primeiros meses de 2011, foram contratados mais de R$ 35 bilhões de crédito, com uma média de quatro mil contratos por dia. Este número indica que poderá haver neste ano um crescimento de 4% a 5% com relação a 2010, quando foram contratados mais de R$ 70 bilhões. "O Brasil caminha a passos largos para eliminar o problema habitacional", declarou. 

O secretário da Segurança Pública, afirmou que há muito se ouve falar que resolver a questão da habitação para servidores, sem que haja alguma ação efetiva neste sentido. Conforme ele, a união de protagonistas deste processo deu início, através do Feirão, à solução efetiva para este problema. Já o Secretário de Estado de Habitação e Saneamento, Marcel Frison, salientou que a abertura de crédito para os funcionários públicos é efetivamente "um processo que estimula a carreira". 

Entidades representativas 

Para o presidente da Ugeirm, Isaac Ortiz, o momento é muito especial, uma vez que se fala em facilidades para garantir aos que recebem baixos salários que comprem a casa própria. "Queremos é morar dignamente", disse Ortiz. O presidente da Abamf, associação que representa os praças da Brigada Militar, que também há muito tem trabalhado para garantir este benefício aos PMs, disse que sempre foi favorável a ampliar para outras categorias a possibilidade de compra da moradia. 

Sobre o Feirão

Durante sete dias, sempre das 10h às 18h, os interessados em adquirir a casa própria poderão procurar os agentes da cadeia de habitação e os técnicos da Caixa responsáveis pela liberação de financiamentos, todos instalados no Armazém B do Cais do Porto. Neste período, serão oferecidos 13 mil imóveis novos e dois mil usados, situados na Capital e em Viamão, Alvorada, Cachoeirinha, Gravataí, Canoas, Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Portão e Eldorado do Sul. 

Aos servidores interessados, bastará levar documentos como Carteira de Identidade, CPF, comprovante de residência e os três últimos comprovantes de renda. A novidade é que os financiamentos poderão ser concedidos mesmo que o servidor tenha restrição cadastral. No Armazém B está instalado, ainda, o estande do Governo do Estado, que entre outros serviços e informações, tem condições de fornecer cópias e impressão de documentos para finalização do negócio.

 

Fonte: Redação Secom
Autor: Renato Araújo 
Site: Consumidor RS